SP recebe estátua em homenagem a arquiteto negro do século 18

SP recebe estátua em homenagem a arquiteto negro do século 18

A cidade de S√£o Paulo recebeu hoje (20), Dia da Consciência Negra, a est√°tua de Joaquim Pinto de Oliveira (1721-1811), mais conhecido como Tebas, um dos maiores arquitetos brasileiros do século 18. Escravizado até os 57 anos de idade, Tebas conquistou sua alforria e se consolidou com obras como a constru√ß√£o do Chafariz da Misericórdia (1792), no centro da capital paulista.

A escultura recebida do artista pl√°stico Lumumba Afroindígena e da arquiteta Francine Moura ser√° instalada na Pra√ßa Clóvis Bevil√°cqua, na face leste da Pra√ßa da Sé. A previs√£o é que o monumento seja inaugurado no início do mês de dezembro.

Além de sua constru√ß√£o mais famosa, o Chafariz da Misericórdia (1792), Tebas – reconhecido como arquiteto oficialmente em 2018 pelo Sindicato dos Arquitetos no Estado de S√£o Paulo (SASP) – também foi respons√°vel por obras nas principais igrejas paulistanas da época, como a da Ordem Terceira do Carmo (1775-1776), a do Mosteiro de S√£o Bento (1766 e 1798), a da velha Catedral da Sé (1778), a da Ordem Terceira do Ser√°fico S√£o Francisco (1783) e, também, do enorme Cruzeiro Franciscano na cidade de Itu (SP) (1795).

N√£o s√£o conhecidas as origens africanas de Joaquim Pinto de Oliveira. No entanto, sabe-se que ele nasceu em Santos, filho de Clara Pinto de Araújo, e foi transferido para S√£o Paulo, em meados do século 18, pelo seu ent√£o propriet√°rio, o português Bento de Oliveira Lima, mestre de obras da regi√£o.