Maioria dos sites que propagam fake news é financiada por anúncios do Google, diz estudo

Pesquisa feita pela Universidade de Oxford indica que sites de desinformação podem conseguir melhor visibilidade que sites de jornalismo profissional. Fake News: pesquisa [...]

Maioria dos sites que propagam fake news é financiada por anúncios do Google, diz estudo
Pesquisa feita pela Universidade de Oxford indica que sites de desinformação podem conseguir melhor visibilidade que sites de jornalismo profissional. Fake News: pesquisa aponta que sites de desinformação são dependentes da publicidade online

Reprodução

Um estudo realizado pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, e divulgado nesta sexta-feira (7), indica que a maioria dos sites que propagam fake news é financiada pela plataforma de anúncios Google Ads.

"Os sites que publicam consistentemente 'junk news' mostram estratégias profissionais de SEO [Search Engine Optimization, usadas para aumentar o alcance das publicações] para disseminar seu conteúdo por meio de mecanismos de pesquisa", diz o estudo.

A pesquisa aponta 3 conclusões:

As principais fontes de desinformação possuem boas métricas de SEO e são otimizadas para distribuição nas buscas e nas mídias sociais, com potencial para alcançar mais pessoas;

Sites de desinformação usam links em suas notícias de portais confiáveis e de alto prestígio para conseguirem melhor colocação nos mecanismos de busca da web;

A "esmagadora maioria" dos sites de desinformação depende das principais plataformas de publicidade online para gerar receita, e 61% deles usam anúncios do Google.

Enquanto 61% dos portais de desinformação utilizam a ferramenta Google Ads para gerar receita, este índice é ligeiramente menor entre sites de jornalismo profissional (59%).

Twitter anuncia marcadores para contas de pessoas e mídias ligadas ao Estado

O G1 procurou o Google para comentar os resultados da pesquisa, mas, até a última atualização deste texto, não obteve resposta.

Diretor de cibersegurança do Facebook conversa com o Fantástico sobre investigações

A pesquisa feita pela Oxford Internet Institute checou, entre abril e maio deste ano, 830 fontes sobre a Covid-19 e analisou as principais métricas de otimização de mecanismo de pesquisa (SEO), como forma de avaliar a reputação online dos sites e sua dependência de publicidade digital.

Facebook remove publicação de Trump pela primeira vez por violar política de fake news

Twitter bloqueia conta da campanha de Trump por desinformação sobre Covid-19

Entre os sites de jornalismo profissional analisados pela pesquisa estão veículos internacionais como Reuters, New York Times, The Guardian, CNN, La Reppublica e Fox News. Outros portais, como RT, SputnikNews, Alternet, Breitbart e ZeroHedge, foram considerados como fontes de desinformação.

Em uma escala de 0 a 100 de relevância nos mecanismos de busca, sites de jornalismo profissional conseguiram pontuação máxima de 89, enquanto portais que propagam fake news chegaram a 82. Na lista divulgada pelo estudo, a diferença de pontuação entre os 10 principais sites de cada categoria é pequena.

"Muitos dos sites da nossa amostra foram sinalizados por pesquisadores e fact-checkers por apresentarem teorias da conspiração e falsidades, inclusive em relação à Covid-19. No entanto, esses sites continuam gerando receita com publicidade", diz a pesquisa.

"Grandes plataformas de publicidade, incluindo Google e Amazon, contribuem para a viabilidade financeira e o sucesso de publicadores de 'junk news' e desinformação em torno da Covid-19."

Pontual: "Trump é um dos maiores disseminadores de fake news"